Se a gente tivesse que escolher apenas um ingrediente que definisse a gastronomia brasileira, você talvez pensasse logo de cara em arroz ou feijão, mas um produto que é tipicamente nacional e que une todos os povos, com certeza é a mandioca.

Muito antes de qualquer europeu chegar a América, a mandioca já era cultivada do Sul até o México.

Aipim ou macaxeira, a mandioca é muito versátil e base de muitos pratos característico do nosso país, dela se derivam diversos outros produtos base como farinha, amido, polvilho, tapioca, tucupi, cachaça, além de ser uma matéria-prima promissora do etanol.  Mas, se você pensa que aqui só vai ter a história desse orgulho nacional, espere que no final terão receitas deliciosas.

A principal parte usada da mandioca é a raiz, mas no Norte é comum o consumo das folhas, além do caule ser usado para o plantio.

Produto genuinamente brasileiro

Produto genuinamente brasileiro

Lenda indígena  

Contam os índios tuxaua que, há muito tempo atrás, a filha de um poderoso chefe foi expulsa de sua tribo porque havia ficado grávida misteriosamente. Ninguém (nem ela!) sabia quem era o pai da criança.  Por isso, a índia foi morar em uma velha cabana. Um dia, a índia deu à luz uma menina muito branca e muito bonita, a quem ela chamou de Mani. Todos ficaram sabendo da notícia, cheio de curiosidade, o velho índio viajou até a cabana para ver Mani.

A criança era mesmo muito especial. E o avô logo esqueceu as mágoas que tinha contra a filha! A criança cresceu amada por todos. Mas, assim que completou três anos de idade, morreu de repente. A mãe ficou desesperada, mas nada pode fazer. Assim, enterrou a filha perto da cabana e, ali chorou, durante muitas horas.

Suas lágrimas pingavam no chão da floresta, no lugar onde Mani fora enterrada. De repente, a pobre mãe viu algo brotar, num instante, da terra molhada, uma planta! Parecia um verdadeiro milagre, toda a tribo veio ver! As raízes da plantinha eram brancas, como Mani, e em forma de chifre. Todos quiseram provar daquela raiz miraculosa. E foi assim que a mandioca (“Mani”, a criança morta, e “aca”, chifre) se tornou o principal alimento dos índios da Amazônia!

Tradicional processamento da mandioca

Tradicional processamento da mandioca

História

Quando os europeus desembarcaram em terras sul-americanas, os ameríndios já a cultivavam há pelo menos 8 mil anos. Encantados, os europeus viram sua adaptabilidade, resistência e fartura, além da sua fácil transformação em farinha.

No Brasil colônia, era umas das bases da alimentação, usada em bolos, sopas, angus, pirão e acompanhamento de carnes curadas e feijão.

Com a mistura das culturas indígenas, europeias e posteriormente africanas, a mandioca foi tomando um espaço cada vez maior na nossa gastronomia, gerando cada vez mais pratos saborosos e ricos em história.

De lá para cá o cultivo e o consumo deste alimento só aumentaram, e se tornou parte do cotidiano de todo o Brasil. Acompanhando peixes nas regiões litorâneas, carnes no interior, além de movimentar a economia de muitos períodos históricos até hoje, também invade restaurantes de alta gastronomia em novas leituras.

Receitas com mandioca por regiões

NORTE

TACACÁ

tacaca-boteco-do-neco.png

Ingredientes:

·       4 xícaras (chá) de água

·       1/2 xícara (chá) de polvilho azedo (ou goma de mandioca)

·       1 colher (chá) de sal

·       500 g de camarão salgado (seco)

·       4 folhas de chicória

·       4 dentes de alho bem amassados

·       3 pimentas-de-cheiro

·       2 maços de jambu

·       2 litros de tucupi

Preparo:

1. Coloque o tucupi em uma panela com o alho bem amassado, o sal, a chicória e as pimentas

2. Leve ao fogo

3. Quando começar a ferver, abaixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por 30 minutos aproximadamente

4.  Simultaneamente em outra panela, cozinhe o jambu até ficar tenro

5.  Retire do fogo, escorra e reserve

6.  Lave bem os camarões e leve-os ao fogo em uma panela com 4 xícaras de água

7.  Deixe ferver por aproximadamente 5 minutos

8.  Retire a cabeça e a casca

9. Em uma panela, misture o polvilho com a água dos camarões, leve ao fogo e mexa até obter um mingau

10.  Sirva em uma cuia com uma concha de tucupi, um pouco do mingau, algumas folhas de jambu e os camarões

SUDESTE

TUTU DE FEIJÃO

tutu-de-feijao-boteco-do-neco.png

Ingredientes:

·       3 xícaras (chá) de feijão cozido (com caldo) batido no liquidificador

·       3 colheres (sopa) de óleo

·       1 cebola pequena picadinha

·       2 dentes de alho picadinhos

·       3 talos de cebolinha verde picados

·       Farinha de mandioca torrada

·       Sal e pimenta-do-reino

·       Torresmos para decorar

Preparo:

1. Faça um refogado com o óleo, a cebola, a cebolinha, o alho, sal e pimenta. Junte o feijão batido e deixe ferver um pouco.

2. Acrescente farinha de mandioca aos poucos, mexendo sempre, até atingir a consistência desejada. Sirva decorado com torresmos.

SUL

ESCONDIDINHO DE MANDIOCA COM COSTELA DESFIADA

escondidinho-de-mandioca-com-costela-desfiada-boteco-do-neco.png

Ingredientes da costela:

·       1 kg de costela bovina cortada em ripas

·       2 colheres (sopa) de farinha de trigo

·       1 cebola

·       2 tomates maduros

·       2 dentes de alho

·       1 colher (sopa) de vinagre

·       2 colheres (sopa) de óleo

·       1 litro de água

·       sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Preparo da costela:

1. Pique os tomates, cebola e alho em cubinhos.

2. Numa tigela, tempere as costelas com sal e pimenta-do-reino. Salpique a farinha de trigo e misture bem para envolver todos os pedaços. 

3. Leve ao fogo médio uma panela de pressão, sem a tampa. Quando aquecer, regue com 1 colher (sopa) de óleo e doure as costelas em etapas.

4. Mantenha a panela em fogo médio, acrescente a cebola e refogue por cerca de 3 minutos, até dourar. Junte os tomates, o alho e o vinagre. Deixe cozinhar por mais 5 minutos, mexendo de vez em quando. 

5. Adicione água e assim que começar a apitar, diminua o fogo e deixe cozinhar por mais 45 minutos. 

6. Desligue o fogo e espere toda a pressão sair. Transfira as costelas para uma travessa. Se quiser, reserve o líquido do cozimento para outra preparação - é um caldo de carne bem saboroso. 

7. Desfiar com um garfo. Descarte a gordura e os ossos.

Ingredientes do purê de mandioca:

·       3 mandiocas descascadas

·       ½ xícara (chá) de leite

·       1 colher (sopa) de manteiga

·       sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Preparo do purê:

1. Coloque em uma panela de pressão e cubra com água.

2. Adicione 1 colher (chá) de sal, tampe a panela e leve ao fogo alto. Assim que começar a apitar, diminua o fogo e deixe cozinhar por mais 20 minutos.

3. Transfira as mandiocas para uma peneira e deixe escorrer bem a água. Sobre uma panela, passe as mandiocas ainda quentes por um espremedor de batatas. 

4. Adicione o leite e a manteiga. Leve ao fogo baixo e mexa bem até ficar cremoso. Prove e, se necessário, tempere com sal e pimenta-do-reino. 

Coloque a costela por baixo e o purê de mandioca por cima, se quiser dissolva requeijão light (mais suave e não deixa o prato salgado) com creme de leite e cubra com uma camada fina sobre o purê de mandioca, salpique com queijo parmesão ralado e leve ao forno para gratinar.

NORDESTE

PAÇOCA DE CARNE SECA

paçoca-de-carne-seca-boteco-do-neco.png

Ingredientes:

·       3 colheres (sopa) de manteiga de garrafa

·       2 xícaras (chá) de carne-seca dessalgada, cozida e desfiada

·       1 cebola picada

·       2 dentes de alho amassados

·       1/2 xícara (chá) de farofa de mandioca pronta e temperada

·       Coentro picado a gosto

Preparo:

1. Derreta a manteiga e frite a carne até ficar bem sequinha, acrescente a cebola, o alho e refogue.

2. Desligue o fogo e misture a farofa e coentro.

3. Coloque em uma travessa e sirva em seguida.

Espero que você tenha gostado de saber mais sobre a história desse produto tão símbolo da nossa gastronomia. Faça as receitas e conte para gente o que você achou.

Para conhecer mais acompanhe nossas redes sociais e visite nossos espaços para provar uma deliciosa comida brasileira.

Visite nossa página no Facebook.

Comment